Estrada dos três Rios, 741 Sala 307 - Rio de Janeiro - RJ 21 2106-1300 21 99126-7261

Tipos de câmeras: das residenciais para as cidades digitais

Gostou? compartilhe!

Conheça mais sobre Tipos de câmeras: das residenciais para as cidades digitais

Tipos de câmeras: das residenciais para as cidades digitais

Um sistema de videomonitoramento é uma das primeiras soluções procuradas por quem quer proteger sua casa ou empresa ou então ampliar a segurança em grandes espaços, como estádios, shows e nas cidades. Porém, para cada uso, há diferentes tipos de câmeras e tecnologias a serem aplicadas.

Conhecer um pouco destas especificidades permite que você defina melhor sua escolha, de acordo com a necessidade e possibilidade de investimento. Nesse artigo, vamos mostrar alguns tipos de câmeras que se adequam a residências, pequenas empresas e condomínios, grandes corporações e para projetos especiais, como as cidades digitais.

Conheça os tipos de câmeras para cada cenário

Primeiro, é preciso lembrar que existem diferentes protocolos de vídeo para:

  • A câmera analógica tradicional;
  • As câmeras HDCVI, AHD e HDTVI, que transmitem via cabo coaxial, mas podem ter gravação digital. A Intelbras tem produtos com essa tecnologia;
  • As câmeras IP, já são totalmente digitais com troca de dados feita por conexão pela internet (via cabo).

A resolução da imagem também é outro fator a ser considerado nas câmeras. Elas podem ser HD, Full HD, 4MP, 4K (Ultra HD) e 12MP. Vale lembrar que além de fornecer mais detalhes, as câmeras de grande resolução também oferecem mais angulação, cobrindo áreas maiores em relação às tecnologias antecessoras, – ou seja, são necessários menos equipamentos para proteger o espaço.

Por isso, antes de escolher uma câmera de segurança, é preciso saber:

  • O tamanho da área de cobertura;
  • Os níveis de detalhamento de imagem;
  • Em que tipo de ambiente será instalada – externo ou interno;
  • Qual a finalidade das informações captadas: saber quem entrou no ambiente; contar quantas pessoas entraram; saber o que acontece em determinada área;
  • Quanto é possível investir no equipamento e na instalação.

Conhecidos os pontos a serem considerados, vamos agora entender que tipo de câmeras são mais apropriadas para cada cenário de instalação.

Para residências, busque facilidade e custo benefício

Neste caso, prefira equipamentos voltados para projetos de monitoramento que prezam por uma boa resolução nas imagens e dispositivos de qualidade.

  • Áreas internas – neste caso, é possível contar com modelos portáteis com conexão via Wi-Fi, como as da linha Mibo da Intelbras. Estas câmeras são práticas, de fácil instalação (basta ligar na tomada) e suas imagens podem ser acessadas remotamente, inclusive pelo celular. O campo de visão é de 1100 e a resolução da imagem é de alta definição. Porém, se você busca por um sistema mais amplo e interligado de videomonitoramento (com câmeras internas e externas), como um CFTV, pode investir nos modelos Dome, que são modelos pequenos, discretos e bastante versáteis na sua aplicação, pois podem ser instaladas no teto e na parede.
  • Áreas externas – também existe a possibilidade de instalar as câmeras Wi-Fi – linha Mibo -, que possuem modelos com características próprias para alguns tipos de lugares abertos, como varandas. Elas são importantes para os locais onde se deseja evidenciar a presença do equipamento no ambiente, reforçando a sensação de segurança e também para prevenir situações de perigo, já que você monitora as imagens pelo celular.

Para pequenas empresas, alie custo benefício e robustez

Assim como nas residências, opte por dispositivos que trazem facilidade e custo benefício, sem que seja necessário investir grandes valores. No entanto, aqui já é necessário levar em consideração o CFTV e equipamentos mais robustos, que ofereçam funções adicionais, como maior capacidade de HDs, entradas e saídas de alarmes, maiores resoluções e IR inteligente, por exemplo.

Áreas internas – pode-se buscar por equipamentos portáteis com conexão Wi-Fi (linha Mibo). Nesse caso, são mais indicados para empresas que dispõe de um pequeno ambiente, como escritórios, consultórios, alguns salões de beleza e lojas de comércio etc. Em empresas com mais ambientes, o CFTV e seus modelos bullet e dome (dependendo da área de visão) são melhores, pela amplitude do campo de imagem e por estarem integradas a um sistema mais completo de videomonitoramento, com mais câmeras internas e externas.

Áreas externas – para as entradas das lojas ou portões, pode-se usar os modelos bullet, que estão disponíveis desde os modelos com melhor custo-benefício.

tipos de cameras

Para grandes corporações e condomínios a palavra é performance

Projetos grandes e complexos – como condomínios, shoppings e espaços públicos – pedem dispositivos de alta performance e excelente desempenho, com funções profissionais, como WDR, HLC e análise inteligente de vídeo. O que também se pode considerar é o uso de equipamentos IP ou de maior resolução, como as Full HD ou 4 MP, que oferecem um nível maior de detalhes das imagens.

  • Áreas internas – as câmeras Dome podem ser usadas, pois costumam oferecer bom ângulo de visão — em muitos casos, isso é capaz de abranger todo o ambiente na mesma imagem;
  • Áreas externas – aqui, as Bullets são as mais utilizadas. Outras opções são as câmeras que possuem inteligência visual: elas são capazes de identificar situações na cena, contar as pessoas que passam em uma determinada área e se comportar de maneira específica em cada tipo de situação.

Para projetos especiais e cidades digitais, saiba onde encontrar sistemas complexos e sob medida

Os ambientes que necessitam de filmagem com alta resolução, monitoramento em tempo real ou em situações específicas (como o monitoramento interno de um frigorífico, por exemplo) devem utilizar sistemas de videomonitoramento desenvolvidas com inteligência artificial.

São necessários produtos altamente resistentes, com funções únicas e desenvolvidos para atender com exclusividade a demandas não convencionais. Alguns exemplos: câmeras NVR, com a possibilidade de armazenamento de imagens na nuvem e monitoramento via celular; leitura automática de placas de veículos, contagem de pessoas, mapa de calor e outras inteligências e imagens de altíssima qualidade mesmo em cenários adversos.

Para estes projetos, equipamentos IP e de altíssima resolução – pelo menos Full HD, 4K ou então 12MP – são recomendados, além de softwares específicos para interligar todo o sistema.

 

 

Fonte:  Blog da INTELBRAS



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Bit 2000 Whatsapp Bit 2000